Por que a tribo de Dan (“Dã”) não aparece na lista de Apocalipse 7?

13/11/2016 13:19

Por que a tribo de Dan (“Dã”)

não aparece na lista de Apocalipse 7?

 

Por Tsadok Ben Derech

 

 

Dispõe o texto de Apocalipse 7 (Tradução direta do Aramaico por Tsadok Ben Derech):

 

“1 E depois disso, vi quatro anjos em pé sobre os quatro cantos da terra, e retiveram os quatro ventos, para que o vento não soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem sobre toda árvore.

2 E vi outro anjo que ascendia a partir da nascente[1] do sol, e tinha o selo do Elohim vivo. E clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado [o poder] para que danificassem a terra e o mar.

3 E ele disse: Não firam a terra, nem o mar, nem as árvores, até selarmos os servos de Elohim entre seus olhos.

4 E ouvi o número dos que foram selados, cento e quarenta e quatro mil a partir de todas as tribos de Yisra’el.

5 Da tribo de Yehudá, doze mil; da tribo de Re’uven, doze mil; da tribo de Gad, doze mil;

6 da tribo de Asher, doze mil; da tribo de Naftali, doze mil; da tribo de Menashé, doze mil;

7 da tribo de Shim’on, doze mil; da tribo de Yissachar, doze mil; da tribo de Levi, doze mil;

8 da tribo de Zevulun, doze mil; da tribo de Yosef, doze mil; da tribo de Binyamin, doze mil selados.

9 Depois disso, eu vi uma grande multidão, que ninguém podia contar, de toda nação, tribo, povos e línguas, que estavam diante do trono e diante do Cordeiro, e estavam vestidos com mantos brancos e [com] palmas em suas mãos”.

 

Esta listagem possui algumas peculiaridades interessantes:

1) Yehudá (Judá) aparece encabeçando o rol em vez de Re’uven (Ruben);

2) há a inclusão de Levi entre as doze tribos, algo que é totalmente incomum;

3) estão insertos Yosef (José) e Menashé (Manassés), mas não Efrayim;

4) está excluída a tribo de Dan (Dã). Por que será?

Iniciaremos explicando os três primeiros tópicos, e ao final será analisado o motivo pelo qual a tribo de Dan não consta do rol dos selados.

1) Yehudá aparece encabeçando o rol em vez de Re’uven. Motivo: já que o Mashiach vem da tribo de Yehudá, possui primazia sobre todas as tribos, já que é o Rei dos reis.

2) Há a inclusão de Levi entre as doze tribos, algo que é totalmente incomum. Motivo: na Era Messiânica, a tribo de Levi está incluída entre as demais tribos, conforme profetizou Yechezk’el (Ezequiel) em seu capítulo 48.

3) Estão insertos Yosef e Menashé, mas não Efrayim. Motivo: Yochanan  preferiu usar Yosef no lugar de seu filho Efrayim (Ap 7:8), uma vez que Yosef é o arquétipo do verdadeiro tsadik, e a tribo de Efrayim praticou bastante idolatria, conforme narram as Escrituras (Hoshea 4:17 a 14:8), fato este que terminou por levar as dez tribos do Norte ao cativeiro assírio no ano de 722 AC. Assim sendo, na Era Messiânica, Yochanan optou chamar Efrayim pelo nome de seu pai, Yosef, que sempre foi reputado pela literatura israelita como um grande homem de Elohim. Ou seja, Efrayim é mencionado de forma codificada, reflexa, indireta, através do nome de seu pai Yosef.

4) Está excluída a tribo de Dan (“Dã”). Por quê?

Inicialmente, cabe destacar que o número 144 mil de todas as tribos do povo de Yisra’el (Ap 7:4) não é arbitrário, mas possui uma explicação.

Giza David Stern:

 

“há 12 tribos em Israel e 12 emissários; há Dez Mandamentos; o resultado de elevar ao quadrado os primeiros e ao cubo o último indica perfeição, a perfeição e a plenitude de Israel”[2].

 

Eis a lição do Rabino Yechiel Litchtenstein:

 

“Na época da destruição do segundo Templo, Israel contava com 7.200.000 habitantes. A terumá [oferta dos primeiros frutos pelos kohanim], em geral, é a quinquagésima parte (Mishná, Terumot 4:3), o que, neste caso, equivale a 144.000. Em Romanos 11:16, Paulo observa que ‘se a hallah oferecida como primeiros frutos é santa, toda a massa também o é’. Assim, o sentido é que se os primeiros frutos de Israel, os 144.000 judeus messiânicos que confiam em Yeshua, são santos, então toda a massa, toda a Israel, é santa. Por isso, Paulo continua: ‘É dessa forma que todo o Yisra’el será salvo’. Conforme afirma o Tanach: ‘De Tsion virá o Redentor, ele afastará a impiedade de Ya’akov’ (Rm 11:26 e Is 59:20-21 e 27:9). Isso está de acordo com o meu comentário a respeito de 1:7 que diz que quando o sinal na testa do filho do homem é visto no céu, os filhos de Israel se arrependerão, reconhecerão o Messias e chorarão por terem injustamente traspassado-o. Será, nesse momento, que todo o Israel será salvo. Contudo, a condição para isso é anterior à salvação dos 144.000”[3].

 

Então, por que não houve menção à tribo de Dan?

De acordo com farta literatura israelita, a tribo de Dan é bastante associada à idolatria: Jz 18:16-20; 1 Rs 12:28-30; Targum Yerushalmi sobre Shemot 17:8; Targum Yerushalmi sobre Bamidbar 11:1; Targum sobre Shir HaShirim 2:15; Targum sobre Yirmeyahu 8:16; Midrash Rabá sobre Bereshit 43:2; Midrash Rabá sobre Bamidbar 2:10; Talmud, Sanhedrin 96a; Pesikta Rabati 11:13, 12:13 e 46:3; Sifre sobre Devarim 34:1.

Segundo a visão judaica no período do Segundo Templo, nos últimos dias a tribo de Dan participaria de uma grande apostasia, e seria um instrumento nas mãos de HaSatan.

Neste sentido, na obra o Testamento dos Doze Patriarcas, escrito em hebraico por volta de 109 a 106 DC, o seu autor, que era um parush (fariseu) com profundo conhecimento das tradições judaicas, escreveu sobre a tribo de Dan:

 

Sei que nos últimos dias vocês [da tribo da Dan] se desviarão de YHWH,

E provocarão Levi à ira,

E lutarão contra Yehudá.

Mas vocês não prevalecerão contra eles,

Pois um Anjo de YHWH guiará a ambos,

Porque Israel se levantará por eles.

E sempre que você [Dan] se afastar de YHWH, andará em todo o mal e fará as abominações dos gentios, prostituindo-se segundo as mulheres dos iníquos, enquanto toda a maldade e espírito da maldade operam em vocês.

Pois eu li no livro de Chanoch (Enoque), o justo, que o seu príncipe é HaSatan, e que todos os espíritos de iniquidade e orgulho conspirarão para procurar constantemente os filhos de Levi, para o fazerem pecar contra YHWH” (Testamento de Dan, capítulo 5:4-6).

 

A cláusula “o seu príncipe é HaSatan” foi entendida pelos primeiros discípulos de Yeshua como uma referência ao antimashiach (“anticristo”), que viria da tribo de Dan, sendo esta simbolizada por uma serpente (Gn 49:16-17).

Seguindo este entendimento, escreveram os cristãos primitivos, provavelmente por meio da tradição que receberam dos judeus nazarenos, que a tribo de Dan não foi incluída em Apocalipse 7 em razão de o antimashiach (anticristo) ser desta tribo, lição esta sustentada por Irineu (Adversus Haereses 5.30.2[4]), Hippolytus (De Antichristo, 14–15[5]) e Beda (Explanation of the Apocalypse).

Vale destacar que a apostasia de Dan é temporária, e ao final os membros desta tribo se arrependerão, uma vez que também desfrutarão da Era Messiânica, de acordo com a predição de Yechezk’el (Ezequiel) 48.

 


[1] Ou: leste.

[2] Comentário Judaico do Novo Testamento, Atos, 2008, página 883.

[3] Commentary to the New Testament sobre Ap 7:9.

[4] Irenaeus, Against Heresies 5.30.2, trans. A. Roberts and W. H. Rambaut, ANF 1:559.

[5] Hippolytus, The Extant Works and Fragments of Hippolytus 2.15, ANF 5:207.

 

 

 

 

Voltar