O Mashiach é YHWH, afirmam judeus ortodoxos do Chabad

21/06/2014 20:35

 

“O Mashiach é YHWH”, afirmam judeus ortodoxos do Chabad

 

Por Tsadok Ben Derech

 

Há tempos estamos apregoando que o Mashiach é YHWH, consoante as prescrições do Tanach[1], Talmud, Midrash e Zohar, ou seja, a elohut (divindade) do Mashiach não é um conceito que foi inventado pelo Cristianismo, como pensam os incautos, mas faz parte da antiga tradição judaica.

Foram redigidos os Ketuvim Netsarim (Escritos Nazarenos/“Novo Testamento”) por judeus zelosos da Torá, inferindo-se daí que estes extraíram seus conceitos das Escrituras.

Quando escrevemos o livro “Judaísmo Nazareno”, dedicamos mais de 100 (cem) páginas ao seguinte tema: “Yeshua é YHWH”. Na ocasião, tecemos as seguintes conclusões, in verbis:

“1) YHWH é UM (echad), consoante Devarim/Deuteronômio 6:4; Yochanan Marcus/Marcos 12:29;

2) o Pai é YHWH (Bereshit/Gênesis 1:1; Yeshayahu/Isaías 63:16 e 64:7 ou, nas versões cristãs, 64:8);

3) o Filho, Yeshua HaMashiach, é YHWH (Yeshayahu/Isaías 9:5-6 ou, nas versões cristãs, Is 9:6-7; Yochanan/João 1:1-14; textos em aramaico de Filipissayah/Filipenses 2:11, Lucas 2:11; Ma’assei Sh’lichim/Atos 10:36; Curintayah Álef/1ª Coríntios 8:6 e 12:3; Colossayah/Colossenses 3:24; Ruhomayah/Romanos 9:5 e 14:9; Guilyana/Apocalipse 22:20, dentre outros inúmeros textos em aramaico citados ao longo desta obra);

4) a Ruach HaKodesh é YHWH (Bereshit/Gênesis 1:2; Yeshayahu/Isaías 63:1-11 e Tehilim/Salmos 51:1-11);

5) YHWH é UM e se revela aos homens pelas k’numeh do Pai, do Filho e da Ruach HaKodesh (vide os textos aramaicos de Yochanan/João 5:26 e Ivrim/Hebreus 1:3, bem como Curintayah Beit/2ª Coríntios 13:13). Não são Três Pessoas, mas sim o mesmo YHWH, que é UM, manifestando-se por três k’numeh distintas;

6) Todas as assertivas acima expostas são verdadeiras e têm por fundamento:

6.1) o Tanach, que prevê expressamente a ideia de emanações plurais do ETERNO, inclusive referindo-se ao Pai, à Ruach e ao Filho;

6.2) a B’rit Chadashá em aramaico, visto que afirma com todas as letras que “Yeshua é YHWH” (textos em aramaico de Filipissayah/Filipenses 2:11, Lucas 2:11; Ma’assei Sh’lichim/Atos 10:36; Curintayah Álef/1ª Coríntios 8:6 e 12:3; Colossayah/Colossenses 3:24; Ruhomayah/Romanos 9:5 e 14:9; Guilyana/Apocalipse 22:20, dentre outros);

6.3) os Targumim, já que explicam que a “Palavra (Memra) de YHWH” é o próprio YHWH, inferindo-se daí que Yeshua é uma manifestação do ETERNO, por ser chamado de “a Palavra” (Jo 1:1-14; Ap 19:13);

6.4) o Zohar, o Sefer Ietsirá e o Sefer Bahir, obras fundamentais da Cabalá, que são uníssonos no sentido de que o Ein Sof (Ser Infinito) se apresenta no mundo existente por meio de sefirot, sendo os Três Pilares do ETERNO chamados de Pai, Mãe (Ruach/Espírito) e Filho; estes não são três pessoas, e sim três emanações de YHWH;

6.5) os testemunhos de antigos rabinos, que ratificam as manifestações plurais do ETERNO, inclusive que o “Filho de Yah” é YHWH;

6.6) testemunhos do Cristianismo primitivo, apontando que a concepção de que Yeshua é o ETERNO advém do pensamento judaico, e representava, inicialmente, a crença da grande maioria dos crentes no Mashiach, judeus e gentios; somente em momento posterior ingressou a Doutrina da Trindade no seio da nova religião instituída por homens – o Cristianismo; 

7) a Doutrina da Trindade possui origem no paganismo greco-romano e nunca representou a crença original dos primeiros discípulos de Yeshua. Para estes, crer em Três Pessoas significa politeísmo, o que é abominável aos olhos do ETERNO.

8) o conceito de que Yeshua não é YHWH, mas tão somente um ser criado pelo ETERNO e, portanto, inferior a este, tem suas raízes na mitologia pagã, acostumada com o panteão de deuses em que ao lado do “Deus Pai” existe um “Deus Filho”. Pensar em Yeshua como um ser criado, superior aos anjos e inferior a YHWH, equivale a reputá-lo como um “subdeus” ou “semideus”, o que é totalmente estranho ao pensamento israelita do primeiro século. Para os nazarenos, YHWH é UM, e Yeshua é a emanação do ETERNO em carne”.

 

 

Todos estes pontos foram devidamente explicados e provados na referida obra. Não obstante, pessoas que não leram o livro continuam a insistir na errônea tese de que “o Cristianismo inventou a tese de que Yeshua é YHWH, por meio de fontes pagãs”. Não! Não!

A ideia de que o Mashiach é YHWH faz parte do antigo pensamento israelita, porém, os rabinos da atualidade a negam com o fito de tentar “tapar o sol com a peneira”, isto é, rechaçar um fato líquido e certo: Yeshua é uma emanação de YHWH.

Além das mais de 100 (cem) páginas que dissertamos sobre o tema, faz-se mister citar um argumento adicional: muitos judeus ortodoxos, ainda que rejeitem Yeshua HaMashiach, declaram abertamente que o Mashiach é YHWH!

Com efeito, diversos judeus ortodoxos do grupo Chabad creem que o Rebe de Lubavitch é o Mashiach, e que “o Rebe é YHWH”.

Eis a breve biografia do rabino Rabino Menachem Mendel Schneerson, mundialmente conhecido como “o Rebe de Lubavitch”, ou simplesmente “o Rebe”:

 

“Ele nasceu em Nicolaev, na Rússia, em 11 de Nissan (18 de abril) de 1902, filho do Rabino Levi Itschac e de Chana Schneerson.

Seu pai era um renomado cabalista e estudioso do Talmud. Sua esposa era uma mulher aristocrática, de família rabínica prestigiosa.

Em 27 de novembro de 1928, o rebe casou-se com a falecida Chaia Mushka, segunda filha do lubavitcher Rebe anterior, Rabino Iossef Itschac Schneerson.

Mais tarde, o Rebe foi para Paris, onde se formou em engenharia naval na universidade de Sorbone.

Em 23 de junho de 1941, o Rebe e sua esposa chegaram aos Estados Unidos, escapando milagrosamente à ofensiva nazista. Seu sogro, o Rebe de Lubavitch anterior, que viera um ano antes, o indicou para chefiar suas novas organizações recém-fundadas: o setor educativo, a organização social e a editora do movimento lubavitch. Logo as instituições e as atividades Chabad-Lubavitch tomaram novas dimensões.

Após o falecimento do rebe anterior, em 28 de janeiro de 1950 [10 de shvat, 5710], o Rabino Menachem Mendel Shnerson ascendeu à liderança do movimento.

Em seu primeiro discurso como rebe, ele afirmou que a missão da nossa geração é a de trazer mashiach (messias).

O rebe organizou um corpo de shluchim - emissários de lubavitch - e os encarregou de estabelecer centros Chabad-Lubavitch no mundo. Marrocos foi o primeiro país para onde o rebe enviou três famílias. No brasil existem mais de 20 instituições Chabad-Lubavitch e mais de 30 emissários.

Hoje, cerca de 1300 instituições Chabad-Lubavitch abrangem mais de 35 países em seis continentes. Só nos Estados Unidos funcionam mais de 220 desses centros.

Em Israel, onde os chabadniks (adeptos de chabad) são especialmente estimados, existem cerca de 150 centros, sendo a cidade de Kfar Chabad, perto de Tel Aviv, o quartel general do movimento.

Além de se preocupar com cada indivíduo, o rebe dava uma atenção especial para os menos afortunados, como órfãos e viúvas de soldados israelenses, e as crianças de Chernobil, entre outros. Mais de 1300 crianças recebem tratamento médico em Kfar Chabad. Para os meninos órfãos, são celebradas anualmente cerimônias de bar-mitsvá, no Muro das Lamentações. Além disso, foram criados vários centros de reabilitação para pessoas viciadas em drogas.

Agora que a União Soviética se desintegrou, o movimento lubavitch prossegue publicamente o seu trabalho, sem esmorecimento. O rebe estabeleceu cerca de 60 instituições de ensino judaico na Comunidade dos Estados Independentes e na Letônia. Centenas de emissários visitam regularmente e muitos outros estabelecem lá suas residências para promover as atividades judaicas. A organização Ezrat Achim envia toneladas de alimentos para os judeus destes países.

O Lubavitcher Rebe foi quem iniciou o movimento de teshuvá (retorno ao autêntico judaísmo), enfrentando forte oposição na época, ao dizer que esta era a única maneira de salvar o judaísmo da assimilação. Hoje, o rebe provou estar certo. Milhares de judeus voltaram às suas raízes, e inúmeras outras correntes também seguem esta idéia, combatendo a assimilação e aproximando nossos irmãos mais afastados.

A sua preocupação com a educação e o futuro da humanidade foi reconhecida nos Estados Unidos.

A data de nascimento do rebe, 18 de abril, foi transformada pelo Presidente Ronald Reagan em Dia Nacional da Educação.

Entre suas profecias que mais repercutiram, o rebe previu a abertura da Cortina de Ferro, com a emigração maciça de judeus soviéticos para Israel, ao alertar o governo israelense para a construção de casas e condições de emprego para estes judeus. E isto aconteceu numa época em que tal possibilidade era impensável.

Outra previsão fantástica: durante a Guerra do Golfo, em 1991, o Lubavitcher Rebe foi o único a dizer que esta guerra não atingiria o povo judeu, declarando que as máscaras de gás não seriam necessárias. Ele declarava isso enfaticamente mesmo durante o contínuo bombardeio de scuds sobre Israel, pois lá ‘é o lugar mais seguro do mundo.’ (vide jornal do brasil - 15/1/91).

Sua forma revolucionária de difundir o judaísmo para todos os judeus pode ser exemplificada pelas suas famosas ‘campanhas das mitsvot’ (campanha das boas ações). A colocação dos tefilin, o acendimento das velas de shabat e iom tov pelas mulheres judias, a prática da tsedacá, a educação baseada na torá e a prática da comida casher, entre outras.

A mais recente campanha iniciada pelo rebe é a de conscientização sobre a iminente vinda de mashiach (messias) e da importância de "recepcioná-lo" apropriadamente, principalmente através de um estudo intensivo dos assuntos relativos à era messiânica, contidos na Torá, Talmud, e outras fontes judaicas, como no código de leis de Maimônides.

Todos os domingos o Lubavitcher Rebe costumava receber e abençoar as vastas multidões que vinham buscar as suas palavras de sabedoria e bênção. A cada uma das milhares de pessoas que o procuravam entregava uma nota de um dólar para ser doada a uma instituição de caridade à escolha da pessoa. Além de pessoas comuns, diversas personalidades judias e não-judias pediam o seu conselho e bênção.

No dia 2 de março de 1992, aos 89 anos, o rebe sofreu o seu primeiro derrame.

Mesmo sem se recuperar totalmente, ele continuou a responder, aconselhar e abençoar a todos que o solicitavam. Dois anos após o primeiro derrame, o rebe sofreu seu segundo derrame.

No dia 3 de tamuz deste ano (12 de junho de 1994), nossos olhos carnais deixaram de ver o Rebe fisicamente e a ferrenha disputa entre os céus e a terra por ele terminou - prevaleceram os Céus” (Fonte: Beit Lubavitch Rio de Janeiro[2]).

 

Com o falecimento do Rebe de Lubavitch, muitos de seus discípulos começaram a dizer, e ainda continuam proclamando, que o Rebe é o Mashiach, e que iria ressuscitar. Declaram ainda que o “Rebe é Deus”, o “Rebe é YHWH”.

 

 

Na foto acima, consta em destaque a palavra Mashiach, e um texto em hebraico com os seguintes dizeres:

“Eis o nosso Elohim [Deus]; Ele é YHWH, o qual nós esperávamos: o Rebe de Lubavitch. Que ele viva uma vida longa. Amen”

 

Mister registar que os judeus ortodoxos do Chabad chegaram à conclusão de que seu Mashiach é YHWH com base no Tanach, Talmud, Midrash, Zohar e demais obras da literatura rabínica. Em outras palavras, inexiste qualquer interferência do Cristianismo. Logo, a tese de que “o Mashiach é YHWH” representa conceito totalmente judaico.

Judeus netsarim (nazarenos) e judeus ortodoxos do Chabad compartilham da mesma interpretação das Escrituras: o Mashiach é YHWH!!!

Vejamos alguns pontos de contato entre os dois grupos:

 

1) O MASHIACH É YHWH

 

JUDEUS NETSARIM (NAZARENOS): “A palavra que ele enviou aos filhos de Yisra’el para anunciar o shalom (paz) e a tranquilidade por Yeshua, o Messias: Ele é YHWH sobre todos!” (Atos 10:36, traduzido do aramaico).

JUDEUS ORTODOXOS DO CHABAD: “Ele é YHWH, o qual nós esperávamos: o Rebe de Lubavitch”.

 

2) O MASHIACH É ELOHIM

 

JUDEUS NETSARIM (NAZARENOS): “ele [Yeshua] é a imagem do Elohim que não pode ser visto...” (Colossayah/Colossenses 1:15, traduzido do aramaico)

JUDEUS ORTODOXOS DO CHABAD:O Rebe não é algo diferente de Deus, o Rebe é uma parte de Deus”[3]. “O Rebe é Deus...”

 

3) O MASHIACH NÃO FOI CRIADO, POIS EXISTIA DESDE O PRINCÍPIO, ETERNAMENTE

 

JUDEUS NETSARIM (NAZARENOS): “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Elohim, e a Palavra [Yeshua] era Elohim” (Yochanan/João 1:1)

JUDEUS ORTODOXOS DO CHABAD: “O Rebe não foi criado, o Rebe sempre esteve ao [nosso] redor e sempre estará”.

 

4) APESAR DE O MASHIACH SER YHWH, VEIO AO MUNDO COMO HOMEM

 

JUDEUS NETSARIM (NAZARENOS): “E a Palavra [Yeshua] se fez carne e habitou entre nós...” (Yochanan/João 1:1 e 14). “Porque hoje nasceu para todos vocês o Salvador [Yeshua], que é YHWH, o Messias, na Cidade de David” (Lucas 2:11, traduzido do aramaico).

JUDEUS ORTODOXOS DO CHABAD: “... Não há lugar claro onde termina o Rebe e começa Deus”. “Deus escolheu para imbuir este mundo com a vida através de um corpo. Então, é assim que nós sabemos que o Rebe não pode ter morrido, e que seu atual corpo físico deve estar vivo. O Rebe é a conjunção de Deus e do homem. O Rebe é Deus, mas ele também é físico”.

 

5) TODA A EXISTÊNCIA NA TERRA DEPENDE DO MASHIACH

 

JUDEUS NETSARIM (NAZARENOS): Referindo-se a Yeshua: “Tudo existiu por meio de Suas mãos. Sem Ele, nem mesmo existiria uma coisa das coisas existentes” (Yochanan/João 1:3, traduzido do aramaico).

JUDEUS ORTODOXOS DO CHABAD: “É assim que nós sabemos que ele é o Messias, pois como a vida poderia continuar sem ele? Nada do que existe é possível sem o Rebe”.

 

6) AS ORAÇÕES SÃO DIRIGIDAS AO ETERNO POR MEIO DO MASHIACH

 

JUDEUS NETSARIM (NAZARENOS): “E tudo quanto pedirdes em meu nome [nome de Yeshua], isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho” (Yochanan/João 14:13).

JUDEUS ORTODOXOS DO CHABAD: “Nós não podemos conectar a Deus diretamente. Precisamos do Rebe para levar nossas orações daqui para lá e para ajudar-nos neste mundo”.

“ ... Você pode orar ao Rebe e ele vai responder, e ele estava por perto desde o início dos tempos. Mas você deve ter cuidado para somente rezar para o Rebe como uma entidade espiritual, e não para o corpo que nasceu em 1902”.

 

7) A SALVAÇÃO SOMENTE ALCANÇA AQUELES QUE CREEM NO MASHIACH

 

JUDEUS NETSARIM (NAZARENOS): “Responderam-lhe: Creia no Senhor Yeshua HaMashiach, e será salvo, você e a sua casa (Atos 16:31). “Quem crê no Filho [Yeshua] tem a vida eterna; e aquele que não obedece ao Filho não verá a vida, mas a ira de Elohim se levantará contra ele” (Yochanan/João 3:36)

JUDEUS ORTODOXOS DO CHABAD: “Quando o Messias [o Rebe] revela-se, aqueles que não o veem não podem ser salvos...”.

 

À guisa de conclusão, percebe-se com nitidez vítrea que tanto os judeus nazarenos quanto os judeus do Chabad possuem conceitos semelhantes acerca do Mashiach, todos pautando-se nas Escrituras Sagradas, bem como em antigas tradições judaicas.

Ambos os grupos concordam que: 1) o Mashiach é YHWH; 2) o Mashiach é o criador de todas as coisas; 3) o mundo é sustentado pelo Mashiach; 4) a salvação depende da crença no Mashiach; 5) as orações são dirigidas a YHWH em nome do Mashiach. Todos estes conceitos são estritamente judaicos, e não foram inventados pelo Cristianismo tardio.

Contudo, os referidos grupos divergem apenas no seguinte tópico: quem é o Mashiach? Para os judeus ortodoxos do Chabad, seria o Rebe de Lubavitch; para os judeus nazarenos, o Mashiach é Yeshua.

 


[1] Primeiras Escrituras, conhecidas incorretamente pelo nome de “Antigo Testamento”.

[3] Todas as citações do Chabad a seguir foram extraídas do seguinte link: http://failedmessiah.typepad.com/failed_messiahcom/2007/02/the_lubavitcher.html

 

 

Voltar