Devem os cristãos guardar a Torá ou apenas as Sete Leis Noéticas?

21/08/2013 09:32

 

DEVEM OS GENTIOS GUARDAR A TORÁ

OU APENAS AS SETE LEIS NOÉTICAS?

 

Por Tsadok Ben Derech

 

No início da comunidade do “Caminho”, muitos gentios passaram a se unir aos nazarenos israelitas. Dentre os gentios, existiam tanto prosélitos, que já seguiam o judaísmo, quanto pessoas provenientes de religiões pagãs.  Estas desconheciam totalmente as Escrituras e necessitavam aprendê-las com os sh’lichim (emissários/“apóstolos”). Para que fossem aceitos no grupo, decidiram os sh’lichim estabelecer um padrão mínimo de normas a serem seguidas, falando Ya’akov (Tiago):

“Por isso julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Elohim.

Mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue.”

(Ma’assei Sh’lichim/Atos 15:19-20).

 

Ou seja, os gentios convertidos a Elohim deveriam obedecer aos seguintes mandamentos da Torá:

a) abandonar a idolatria (Ex 20:1-3);

b) abster-se de toda e qualquer promiscuidade sexual (Lv 18:6-23 e Dt 22:20-29);

c) não comer carne sufocada (Lv 17:13);

d) não comer sangue (Lv 3:17 e 17:12-14).

Será que os gentios somente precisam guardar estes quatro mandamentos? Será que o gentio pode matar, furtar ou mentir, já que tais pecados não estão na lista acima? A resposta é negativa. A enumeração de At 15:20 é meramente exemplificativa, e não exaustiva, ou seja, não exclui outros mandamentos. Tendo em vista que os gentios estariam com os nazarenos nas sinagogas em todos os shabatot (sábados), aprenderiam novos mandamentos da Torá e, progressivamente, iriam adotá-los em suas vidas. Isto se extrai do versículo imediatamente posterior:

“Mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue.

Porque Moshé [Moisés], desde os tempos antigos, tem em cada cidade quem o pregue, e cada shabat [sábado] é lido nas sinagogas.”

(Ma’assei Sh’lichim/Atos 15:20-21).

 

Ora, pregar Moshé significa pregar a Torá, já que Moisés foi quem a escreveu. Daí, infere-se que os gentios convertidos estariam ouvindo a mensagem de Moisés (a Torá) nas sinagogas em cada shabat (sábado), podendo incorporar os mandamentos que fossem ensinados. Se a Torá possui 613 preceitos, não adianta explicá-los de uma só vez, porque será impossível assimilá-los instantaneamente, e o convertido não muda seus hábitos “da noite para o dia”, necessitando de tempo para receber a transformação total em seu caráter. Este é o motivo pelo qual se fixaram apenas 4 (quatro) regras em Atos 15:20: esperavam os sh’lichim (emissários) que os novos convertidos gentios adotassem, com o passar do tempo, outros mandamentos, até que conhecessem a totalidade da Torá.

No Judaísmo tradicional, entende-se que existem 7 Leis Universais que devem ser cumpridas por todos os seres humanos, estas leis são conhecidas como Leis Noáchidas (Leis Noéticas), em razão da aliança firmada entre YHWH e Noach (Noé), cujos preceitos são extraídos de Bereshit/Gênesis, capítulos 1 a 9.

Estão listadas as 7 Leis Noéticas no Talmud, Tratado de Sanhedrin 56a:

1. Estabelecer Juízes/Justiça (Gn 3:8-19; 6:5);

2. Abençoar o Nome de YHWH (alguns traduzem por “não amaldiçoar o nome de YHWH”) (Gn 4:26 e 9:26);

3. Abster-se da idolatria (literalmente: “semente idólatra”) (Gn 3:15);

4. Abster-se da imoralidade sexual (Gn 6:1-4; 9:7);

5. Não derramar sangue (= abster-se de assassinato) (Gn 4:1-24; 9:5-6);

6. Não furtar (Gn 2:17; 3:6);

7. Abster-se do sangue do animal (Gn 9:1-4).

 

Em Atos 15:19-20, os sh’lichim (emissários) estabeleceram 4 (quatro) regras mínimas para serem observadas pelos gentios, que muito se assemelham às leis noéticas:

 

 

 

Leis Noéticas contidas no Talmud 

(m. SANHEDRIN 56a)

 

 

Regras dos Sh'lichim em Atos 15:19-20

 

 

1.Estabelecer Juízes/Justiça

Apesar de esta regra não constar expressamente em Atos, é óbvio que era de se esperar que os gentios convertidos se tornassem pessoas justas.

 

2. Abençoar ou não amaldiçoar o nome de YHWH

 

Já que os gentios se converteram a Elohim (At 15:19), não iriam amaldiçoar YHWH.

3. Contra a idolatria

“... que se abstenham... dos ídolos” (At 15:20).

 

4. Contra a imoralidade sexual

“... que se abstenham... da prostituição” (At 15:20).

 

5. Não assassinar

Não consta de Atos, pois os sh’lichim pensavam que pessoas convertidas não iriam praticar o assassinato.

 

6.Não furtar

Não consta de Atos, pois os sh’lichim pensavam que pessoas convertidas não iriam praticar o furto ou roubo.

 

7. Abster-se do sangue do animal

“... que se abstenham... do que é sufocado e do sangue” (At 15:19-20)

 

Já se escreveu que os sh’lichim, em Atos 15, criaram um padrão mínimo de regras a serem observadas pelos gentios convertidos, mas que estas regras não excluiriam outras que seriam aprendidas com o passar do tempo, já que a Torá de Moisés seria lida durante cada shabat (sábado) nas sinagogas (At 15:21).

Lamentavelmente, o judaísmo rabínico e alguns grupos do judaísmo messiânico ensinam a heresia de que os gentios não precisam cumprir a Torá, devendo observar apenas as sete leis noéticas. Tais setores religiosos não percebem que as leis noéticas não são um fim em si mesmo, ou o final do caminho. As regras mínimas de Atos 15 foram dadas partindo-se da premissa de que os gentios continuariam aprendendo mais e mais da Torá.

Alguns ramos do judaísmo messiânico ensinam em suas congregações: “o judeu deve cumprir toda a Torá, o gentio apenas as sete leis noéticas”. Ao fazerem isso, terminam promovendo a acepção de pessoas, o que nunca foi parte do plano de YHWH. Já ouvimos líderes do judaísmo messiânico dizendo a seguinte heresia: “o judeu precisa cumprir toda a Torá porque tem que ser mais santo do que o gentio”. Quanta soberba! Tratam os gentios como se fossem seres inferiores aos judeus, o que não tem nenhum respaldo nas Escrituras.

YHWH não faz acepção de pessoas, e a própria Torá estabelece que seus mandamentos seriam aplicáveis tanto aos israelitas quanto aos estrangeiros (gentios):

A mesma Torá será para natural e para o estrangeiro [gentio] que peregrinar entre vós.”

(Shemot/Êxodo 12:49).

 

“Quanto à congregação, haja apenas um estatuto, tanto para vós outros como para o estrangeiro [gentio] que morar entre vós, por estatuto perpétuo nas vossas gerações; como vós sois, assim será o estrangeiro [gentio] perante YHWH.   

A mesma Torá e o mesmo estatuto haverá para vós outros e para o estrangeiro [gentio] que mora convosco.”

(Bemidbar/Números 15:15-16).

 

Um e o mesmo juízo havereis, tanto para o estrangeiro [gentio] como para o natural [israelita]; pois eu sou YHWH, vosso Elohim.”

(Vayikrá/Levítico 24:22).

 

Porém vós guardareis os meus estatutos e os meus juízos, e nenhuma destas abominações fareis, nem o natural [israelita], nem o estrangeiro [gentio] que peregrina entre vós.”

(Vayikrá/Levítico 18:26).

 

Se YHWH estabelecesse toda a Torá para os judeus e apenas as sete leis noáchidas para os gentios, estaria fazendo acepção de pessoas, o que é inadmissível. Logo, é evidente que a Torá se aplica a todos os seres humanos, como visto nos versículos acima, porque o ETERNO não enxerga o judeu como sendo superior ou “mais santo”:

“Porque, para com Elohim, não há acepção de pessoas.”

(Rm 2:11)

 

“E, abrindo Kefá [Pedro] a boca, disse: Reconheço por verdade que Elohim não faz acepção de pessoas.”

(At 10:34)

 

Imperioso destacar que a ideia de que gentios não precisam guardar a Torá, e tão somente as sete leis noéticas, é fruto da invenção do judaísmo rabínico, herdeiro da vertente farisaica tão criticada por Yeshua. Ao reprovar o absurdo dogma de que gentios devem cumprir apenas as sete leis noáchidas, escreveu o Professor Nazareno Andrew Gabriel Roth:

“A autoridade rabínica inventou suas próprias “leis noáchidas” para os gentios, que servem para deixar os gentios debaixo da autoridade rabínica, e proíbem que eles observem a Torá.”

(Rabbinical Authority and Torah, in Aramaic English New Testament, 4ª edição, página 930).

 

De fato, não há em nenhum lugar das Escrituras um versículo listando as sete leis noéticas e prescrevendo que os gentios somente estão obrigados a cumpri-las, e nada mais.  As leis noáchidas para os gentios, como um fim em si mesmo, foram realmente inventadas por homens, e apregoadas por rabinos que negaram Yeshua como Mashiach, inferindo-se daí que o gentio não pode se submeter à ilegal autoridade dos inimigos do Salvador. É doloroso saber que muitas pessoas, inclusive líderes do Judaísmo Messiânico, dobram os joelhos aos rabinos e ao Talmud, tornando-os, na prática, superiores às Escrituras Sagradas.

Reflita sobre as palavras de Yeshua:

“Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações...

Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amen.”

(Matityahu/Mateus 28:19-20).

 

 Yeshua determinou que seus sh’lichim (emissários) fizessem discípulos de todas as nações (gentios) e os ensinassem a guardar tudo aquilo que mandou. E o que Yeshua mandou? O que o Mashiach ensinava às pessoas? A observância de toda a Torá (Mt 5:17-19; 7:23 [1]; 19:17; vide ainda Rm 3:31).

Também sustentando a verdade de que os gentios devem obedecer toda a Torá tal como os judeus, cita-se o magistério do rabino James Trimm sobre Mateus 28:19-20:

“Yeshua estava instruindo seus talmidim (discípulos) judeus para fazer a conversão dos goyim [gentios] e ensinar os goyim [gentios] a observar tudo o que Yeshua ordenou a seus talmidim judeus (todos os 613 mandamentos da Torá).

Yochanan escreveu-nos acerca do Messias:

‘Aquele que diz que está nele, deve conduzir-se de acordo com sua conduta’ (1 João 2:6).

O Messias foi judeu, ele guardou toda a Torá, e não apenas as Sete Leis de Noach (Noé)

(The Seven Laws of Noah - A Betrothal).

 

Destarte, não restam dúvidas de que os gentios recém-convertidos devem começar cumprindo um mínimo de regras, mas que progressivamente cresçam no conhecimento e na prática dos demais mandamentos da Torá. Não há distinção entre judeus e gentios crentes em Yeshua, todos se tornam descendentes de Avraham (Abrão), isto é, israelitas (Gl 3:26-29; Rm 11:13-22; Ef 2:11-16).

 

 


[1] Leia a tradução de David Stern (Bíblia Judaica Completa): “Nunca os conheci! Afastem-se de mim, praticantes do que é contra a lei [Torá]”.

 

Voltar